domingo, 6 de novembro de 2016

AS "NORMAS" DE UMA IGREJA, UM CASAMENTO E A INCOERÊNCIA DE UMA DECISÃO JUDICIAL .

Em Goiânia,Go,aconteceu há alguns anos atrás uma situação inusitada de um casamento em uma Igreja Evangélica tradicional(Batista): Noivos pertencentes e frequentadores desta Igreja queriam se casar,no entanto a noiva estava grávida. 
A direção da igreja (o Pastor) se negou a realizar o casamento,alegando que pelos dogmas da Igreja era proibido realizar casamentos de noivas grávidas. Contrariados com tal "decisão" do Pastor, o casal de noivos entrou na Justiça Estadual e conseguiu uma "Liminar" de um Juiz (ou Juíza) obrigando o Pastor a realizar o casamento. 
E o casamento foi realizado. 
Na época o fato foi noticiado em várias emissoras de televisão da Capital. Muitos ficaram sabendo e muitos entrevistados deram as suas opiniões. Uns a favor,outros contra. Como,afinal de contas,é normal quando se trata de questões religiosas. Cada um tem a sua maneira de pensar,muitas vezes influenciados pela Religião à qual pertencem.
Eu não sei exatamente o teor da Sentença do Juiz ou Juíza que ordenou que o casamento fosse realizado. E isto aconteceu há quase dez anos atrás. Na sentença foi determinado o pagamento de uma indenização aos noivos no valor de R$ 50.000,00 a título de danos morais e materiais.
Deve ser porque fizeram grandes despesas e o casamento demorou ser realizado,etc.
Contudo,logo em seguida, a Igreja, como instituição protegida pela Constituição,alegando em seu pedido o que consta  do Artigo 5º Inciso VI, e também informando suas convicções e tradições, conseguiu no Tribunal de Justiça reverter a decisão de Primeira Instância,(a que tinha autorizado o casamento), e também a indenização que havia sido pedida pelos noivos,foi revertida em favor da Igreja. No mesmo valor . 
Esta decisão de Segunda Instância(a do Tribunal de Justiça de Goiás),foi transformada em Acórdão, que para quem não sabe é uma Sentença e que faz jurisprudência. Ou seja,poderá ser utilizada por qualquuer outra Igreja,de qualquer denominação em casos semelhantes ou análogos,(como falamos em direito).
A alegação mais forte da Decisão(Acórdão) do Tribunal é de que as Igrejas têm as suas liturgias,suas normas, e estas não podem ser modificadas por decisão judicial. Além do que,citando ser o Estado Laico e que o artigo 5º inciso VI da Constituição protege as crenças religiosas , o Desembargador-relator disse que a Justiça não pode interferir em assuntos internos e nas decisões das Igrejas. São normas internas baseadaas em princípios de ética e de moral das Religiões e não caberia a Justiça inverter tais normas em favor dos noivos,como aconteceu na Sentença de Primeira Instância da Justiça Estadual de Goiás.
E eu pergunto,como meus poucos conhecimentos de Direito e de Religião(sou Católico)mas com a experiência de mais de 50 anos bem vividos: 
-Não seria bem mais prático o Pastor ter acolhido o casal,que já era membro e frequentador da Igreja e apenas realizar o Casamento. Afinal de contas o casamento em Igreja é apenas para dar uma satisfação á sociedade e à família,já que o casamento válido mesmo é o que se realiza no Cartório de Registro Civil. E nestes não há objeções se a noiva está grávida ou não. É só juntar os papéis,provarem que estão habilitados para se casar e pronto.
Afinal de contas, a gravidez era normal,o noivo era o pai da criança que iria nascer... e a criança não tem culpa de nada.
Além do mais,na sociedade em que vivemos é comum as moças e mulheres engravidarem e  muitas destas nem se casam com o pai desta criança a nascer. 
Às vezes,por pressão social,da família,condições financeiras e outros motivos,fazem até aborto. O que é muito pior para ela e para a criança que iria nascer,pois se trata de crime grave previsto no Código Penal.
Acho que as Igrejas,sejam elas da denominação Batista,Católica ou outras de formação Protestantes ou Neo-Pentecostais,ou qualquer outra denominação,têm de aceitar o pecador. Se nos dogmas e normas desta Igreja constam que é pecado engravidar antes de casar,então que perdoem tal pecado,e que ajudem a normatizar a situação do casal,realizando o casamento. 
Se a Igreja,que tem Cristo como seu líder não é capaz de perdoar um erro de um casal de noivos,a ponto de se negar a realizar o casamento deles, então ela não está preparada para acolher pecadores. 
Decerto elas(estas Igrejas) querem pessoas dignas e perfeitas,super corretas e sem pecados a frequentarem seus templos. 
Muitas querem mesmo é o tal do Dízimo do fiel,mas isto não está sendo discutido aqui.
Obviamente que, caberá ao casal,que nem sei se ainda são membros desta Igreja Batista, recorrer para o STJ ou até para o Supremo Tribunal Federal, nem que seja para evitar de pagarem a multa ou indenização que o Tribunal de Justiça de Goiás determinou, pois o casamento foi feito e a criança  deles já nasceu,independente da vontade do Pastor  ou não.
As perguntas finais que faço aqui são as seguintes:
-Nesta Igreja não existem outros pecadores ?
-Para que servem as Igrejas,se não for para aceitar pecadores ?
-E o tal Pastor que se negou a realizar o casamento,é perfeito,sem pecados ?
E finalmente: 
-Que Justiça é esta que, após dez anos de um ato realizado,desmoraliza o Juiz ou Juíza que autorizou o casamento e ainda condena o casal a indenizar a Igreja ?
-O tal Juiz ou Juíza não errou também,ao autorizar o casamento,na conformidade com o que decidiu o Tribunal ?
-E quem vai punir o Juiz,ou Juíza que autorizou o casamento,se na decisão do Tribunal consta que foi um erro deste Juiz ,(ou desta Juíza) ter autorizado o casamento ?
Com a palavra os jurisconsultos e religiosos,mais entendidos de Direito e de Religião do que eu.
E reafirmo aqui a minha opinião de que o Deus verdadeiro deve estar triste ao ver condutas erradas desses Pastores e destes Desembargadores,sob o ponto de vista dos princípio maior que ele nos ensinou: O amor ao próximo !
Faltou sabedoria para eles...
É a minha opinião.


Texto original de Antonio Gomes
Reedição : 06  de novembro de 2016.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

CLÁSSICOS DO CINEMA : "A Princesa e o Plebeu "-(1953) - Com : Audreu Hepburn e GregoryPeck - (Preto e Branco).Original _Legendas em Espanhol .

CIRURGIAS NÃO RESTAURAM O AMOR !

Mônica era uma jovem mulher com seus 42 anos de idade.Ia fazer 43 em setembro . Casada com um advogado bem sucedido, o Marcelo ,ela tinha uma atividade comercial numa Boutique que o marido tinha montado para ela. Os dois filhos que tiveram tinham  8 e 12 anos de idade,respectivamente. Quando eles se casaram ela tinha 30 anos de idade e ele 37.  
-Isto há treze anos atrás .
Portanto uma diferença de apenas 07 anos de idade. Agora,neste ano de 2016 eles estariam para completar 43  e 50 anos de idade,respectivamente.
Mônica,como toda mulher vaidosa, estava se sentindo com a estima em baixa, pois se sentia gorda. E, há dois anos, fazia todo tipo de dieta para emagrecer. Para ,logicamente ficar mais bonita... Tanto pela vaidade como para poder agradar ao marido,de quem tanto ela gostava e tinha ciúmes.
E tinha comentado em 2015 para algumas amigas mais íntimas,que se sentia rejeitada pelo marido.Dizia que atualmente ele não atendia ás suas expectativas sexuais. Ela se sentia magoada com isso. Achava que era por causa de sua atual condição: idade e obesidade. Embora não fosse tão gorda assim. Estava uns 15 quilos acima do que dizem ser a média. Ou melhor explicando,ao invés de ter uns 55 a 58 quilos,estava pesando 73.
Existe muita gente assim,o problema é se aceitar.
E desde fevereiro de 2015 ela estava indo a academias,tomando todo tipo destes remédios que dizem que emagrece, que "seca-barriga",etc. 
E por último,recomendada por amigas,procurou uma Clínica,destas que fazem cirurgias para emagrecer,com lipoaspiração e tudo mais.
Estava conseguindo emagrecer,porém o marido Marcelo continuava a lhe decepcionar.
-Não lhe dava a atenção merecida.
E de novo ela comentava com amigas que achava ser por causa de sua idade e aparência física,embora não fosse feia. Mas, as pessoas que estão lendo este texto aqui sabem do que estou falando: as mulheres nunca estão ralmente satisfeitas com elas mesmas. Ou melhor explicando: nunca se acham realmente bonitas,perfeitas!
E Mônica estava gastando muito tempo e dinheiro para melhorar sua aparência. Era dinheiro seu,de sua Boutique,o marido não intervia. Nem perguntava o que ela estava fazendo. Apenas num  determinado dia ela perguntou a ele se ela estava mais magra e ele respondeu que sim. Falou até que ela ainda "estava bonitona,apesar da idade ". Para as mulheres isto não é elogio!
Contudo, ele continuava displiscente,desinteressado, "rejeitando-a "na cama.
O tempo passou,chegou dezembro,janeiro e se não me engano chegou fevereiro de 2016 e Mônica já estava bem mais magra. Pesando 60 quilos. Para quem tinha 1,70 como ela não era para se considerar gorda mais. Ela estava ainda "cheinha",por assim dizer. -Mas,não gorda.
Com tantos recursos de academia,cirurgias e maquiagens,apesar de seus 42 anos,estava bem bonita.
E seu marido continuava a desapontá-la ,principalmente naquelas  quase que "obrigações" noturnas do rala e rola. 
-Ou,melhor dizendo,não rolava nada.
E ela,por se sentir rejeitada,o tratava mal,o que piorava as coisas.
-Ela sempre estava nervosa em casa.
Por fim,para encurtar a história,num belo dia  do último mês de maio de 2016,ela foi procurar um advogado,que era amigo dela e de seu marido. Queria saber como deveria proceder para fazer o Divórcio... 
-Mas, nada tinha falado com seu marido ainda. 
E contou a este advogado, detalhes de seu relacionamento com o marido e os motivos porque queria se separar.É normal se contar estes detalhes ao advogado. Aliás, quem vai à medicos, advogados,padres ou pastores,devem se confessar,ou dizer todas as mazelas, para que eles possam ajudar a pessoa, profissionalmente.
Foi neste exato dia que o amigo advogado lhe  falou uma frase crucial:
-"Eu pensei que vocês já estavam separados há tempos"
-"Por quê ? -Perguntou ela". 
Ao que ele respondeu:
_"Bom,se você não sabe,eu sou obrigado a lhe dizer,já que quer se separar do Marcelo:Eu tenho visto ele por ai com uma moça loira,bem mais nova do que você. Já o vi no Shopping,no futebol e num final de semana destes ele estava em Caldas Novas(GO),com ela.Eu estava lá com minha esposa e encontrei ele com a tal loura, que ele nos apresentou como a nova "companheira" dele".
Mônica,que não sabia de nada,saiu dalí arrazada. Agora tinha mais motivo ainda para se separar  de fato do marido. 
-Só que não queria se divorciar legalmente.
À noite falou sobre isso com ele e sem muitas brigas resolveram que que deveriam se separar amigavelmente. Se separar de casa,não divorciar. 
Ela ia ficar com a casa,com os filhos e com uma pensão. É desse jeito mesmo que normalmente acontece.
Ela entrou em depressão e começou a engordar de novo. E agora, por pirraça e com raiva disse ao advogado amigo que não mais iria se divorciar do Marcelo.
 "Não iria lhe dar esse gosto da liberdade " Disse .
Mesmo assim a Mônica intensificou mais ainda os "tratamentos" para emagrecer e marcou para meados de julho deste ano uma nova "sessão" de lipoaspiração... Estas cirurgias violentas que retiram a gordura do corpo, no qual alguns médicos tratam as pacientes como se fossem um animal,apesar da Clínica ser de 1ª categoria.
Dia 18  deste mês de julho Mônica se submeteu a um destas cirurgias,feitas quase que às escondidas,pois não comentou muito com ninguém. Só a sua mãe e a amiga e vendedora de sua Boutique  sabiam.
A cirurgia não foi tão bem sucedida assim e vieram as rápidas complicações "pós-cirúrgicas",de que tanto os médicos falam.
 Dois dias depois Mõnica veio a óbito e a notícia foi parar na imprensa. E no dia 20 de julho p.p. todos estavam no velório dela. 
Inclusive o marido, agora viúvo, Marcelo, discretamente acompanhado de sua nova namorada, a loura Viviane, de 24 anos de idade,bonita,não tão magrinha assim.Ela é solteira e sem filhos. Ele não a apresentou aos parentes da mulher falecida. 
-Para alguns dizia ser uma prima. 
-Sempre se tem uma destas "primas"... e elas sempre "aparecem" !
E assim,ele ficou viúvo,com seus 49 anos,livre para poder se casar com sua Viviane, a loura,"gordinha" de 25 anos,olhos claros,e segundo ela mesmo disse "Apaixonada" por ele."
E não foi preciso o amigo advogado fazer o Divórcio,pois os mortos não têm futuro,e ,obviamente,Mônica não mais iria lhe impedir de se casar de novo. Ela descansou. Partiu para a Pátria Espiritual,onde não se sofre,não se sente dor. 
-É o que dizem !
Os filhos ficaram com a  avó materna,mãe da Mônica.
E o casamento do Marcelo com a gordinha simpática Viviane está marcado para outubro,quando ele completará 50 anos de idade e a sua noiva  25. 
-Coisas da vida. E que,invariavelmente,acontecem.
A vida é assim.
E a vida continua.
 E fica uma certeza: 
-Cirurgias não restauram o amor que se perdeu .Que se perdeu,por outros motivos !
.................................................
P.S. Por ser baseado em fatos reais, as datas e os nomes das personagens foram trocados.

 Conto original  de Antônio Gomes

Edição : 03 de novembrode 2016